Exposição "Lenços & Colchas de Chita de Alcobaça"

PROGRAMAÇÃO 2001

VOLTAR







Organizada pelo Instituto Camões, em Brasília, em colaboração com o Ministério da Cultura de Portugal, a exposição, aberta ao público de 4 de outubro a 20 de novembro, apresenta a tradição dos lenços e colchas de chita de Alcobaça, que a partir do século XX, passaram a ser adquiridos como antigüidades e a despertar a atenção dos colecionadores mais esclarecidos.

Com curadoria de Maria Augusta Trindade Ferreira e apoio de Adelaide Cervans Rodrigues, a exposição reúne peças dos séculos XVIII e XIX estampadas com motivos orientais, aves e flores e selecionadas por Jorge Pereira de Sampaio em coleções portuguesas.

A mostra foi aberta com desfile de modas do estilista Augustus, trazendo o que há de mais expressivo nas roupas confeccionadas com chitas de Alcobaça. Desde os anos 40, em Portugal, os concursos de vestidos de chita viraram moda no verão em praias mais selecionadas, os chamados "Baile de Chita". Segundo Maria Augusta Trindade Ferreira, "é uma forma de lembrar como, desde o século XVIII até meados do século XIX, as chitas tiveram um lugar importante até mesmo nas relações comerciais Portugal x Brasil". Atualmente, nota-se um renascer do uso da chita de Alcobaça em decoração, especialmente em antigos solares adaptados ao turismo, e até mesmo em casas particulares.

Aquarelas da artista portuguesa Isabel Henriques também integram a exposição.

A realização desta exposição no Museu Histórico Nacional reveste-se de grande importância.

Em primeiro lugar, reafirma a continuidade do profícuo intercâmbio entre Brasil e Portugal, acentuado nos últimos seis anos, renovando os laços culturais entre os dois países, através da apresentação da tradicional arte dos algodões estampados de Alcobaça, que, desde o século XVI à atualidade, conserva o refinamento e o elevado gosto decorativo.

As colchas e os lenços de Alcobaça, conhecidos por poucos no Brasil, foram, no entanto, muito usados pelos imigrantes portugueses que chegaram ao país nas primeiras décadas do século XX , reafirmando não somente as nossas raízes culturais, mas também introduzindo novas influências incorporadas à indústria contemporânea.

Em segundo lugar, esta exposição prestigia e dinamiza o setor de Artes Decorativas, ilustrando os usos e costumes sociais de um povo com o qual temos mantemos estreita relação e complementando o precioso acervo têxtil, que inclui, entre outros itens, lenços, toalhas, colchas e rendas.

Complementam a exposição reproduções de gravuras antigas mostrando o processo de plantação e recolha do algodão assim como a evolução do algodoeiro às indústrias, livros e objetos sobre estamparia e fabricação de chitas.